A obra de Luiz Alexandre Solano Rossi fala de uma das maiores crises que a humanidade está enfrentando: o aumento da polarização entre ricos e pobres. De acordo com o autor, a maioria é condenada a ter e a viver com menos; a zona de exclusão foi muito bem construída e delimitada. No entanto, os relativamente ricos agradecem a Deus pela vantagem de ser ricos, como se isso fosse uma bênção de Deus. Conforme Solano, são as estruturas econômicas que recompensam o rico e mantêm o pobre na miséria. E elas são manifestações do sistema, não um mal pessoal.

No livro, o autor traz a experiência de Jó como referência para mostrar como a teologia (ou um tipo de teologia) pode ser relacionada facilmente a essa prática de recompensa, neste caso denominada de teologia da retribuição – Deus concede a riqueza para alguns e a pobreza para todos os outros. A experiência de Jó proclama que não há relação alguma entre pecado e sofrimento e entre virtude e recompensa. Uma das possíveis expressões da teologia da retribuição é a teologia da prosperidade. A complexidade dessa teologia está na afirmação que a razão de uma pessoa não ter sucesso financeiro, viver infeliz e /ou com doenças é a sua falta de fé, ou que ela não cumpre o que a Bíblia diz para receber as promessas divinas.

Diante deste cenário, o autor apresenta um contradiscurso ao discurso da teologia da prosperidade. “A teologia saudável que vem da maioria dos textos bíblicos é apresentada como um testemunho evangélico e, portanto, um testemunho da vida. Não podemos separar a teologia da vida, sob o profundo risco de condená-la a ser uma antiteologia. [...] Não podemos negar ao pobre seu direito a um discurso teológico que o defenda e o inclua na construção de uma nova sociedade”, diz o autor.

A obra está dividida em três partes: primeiro, o autor trata da luta de Jó contra a “teologia da retribuição” como o protótipo da atual “teologia da prosperidade”. Segundo, mostra, em consideráveis detalhes, como a teologia da retribuição guiou o rápido crescimento do pentecostalismo no Brasil. Na terceira parte, mostra como premissas utilizadas pela indústria do fast-food tanto se assemelham à teologia atual, que tem capitulado à fascinação e aos perigos do consumismo.

Luiz Alexandre Solano Rossi tem pós-doutorado em História Antiga pela UNICAMP e em Teologia pelo Fuller Theological Seminary, na Califórnia. É doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP) e mestre em Teologia pela Faculdade do Instituto Superior de Estudos Teológicos (IDESET), em Buenos Aires. Autor de mais de quarenta livros publicados no Brasil e no exterior, é professor-adjunto na PUCPR, no programa de mestrado e doutorado em Teologia, e professor no UNINTER (Centro Universitário Intenacional).

Ficha Técnica
Título: A origem do sofrimento do pobre: teologia e antiteologia no livro de Jó
Autor: Luiz Alexandre Solano Rossi
Acabamento: Brochura
Coleção: Bíblia e sociologia
Formato: 16 (larg) x 23 (alt)
Páginas: 152
Área de interesse: Teologia Social



Website: http://www.paulus.com.br