Desde que a crise econômica atingiu o país, em 2014, os shoppings centers viram o movimento diminuir drasticamente, chegando a uma queda de 20% nas vendas. Nos últimos anos, no entanto, tem se constatado sinais de recuperação. Segundo a Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers), em 2017, as vendas nos centros comerciais cresceram 6,2%. Em 2018, a expectativa é crescer 7%. Para impulsionar as compras e fidelizar os visitantes, que veem o shopping como um lugar de encontro da família, os maiores centros de compras do país têm investido na promoção de atividades culturais e em experiências relevantes e significativas para públicos de todas as idades.

"É muito importante que os centros comerciais invistam nesse tipo de atividade. É uma alternativa ao passeio tradicional e o consumidor passa a ver o shopping não só como um local de compras, mas como espaço de sinergia. No caso do grupo Ciência em Show, nossas atrações são oportunidades para romper o cotidiano das pessoas e promover novos olhares sobre as coisas do mundo", afirma Wilson Namen, o Wil, cientista integrante do grupo Ciência em Show.

Formado pelos professores Wilson Namen, Gerson Julião e Daniel Ângelo e pela educadora e especialista em tecnologia Ana Ralston, o grupo Ciência em Show leva diversos projetos culturais e de entrenimento para shoppings por meio de ações que levam o conhecimento divertido, significativo e relevante.

"Nos últimos meses, realizamos ações no Brasília Shopping, Shopping Cidade Jardim, Parque das Bandeiras Shopping e Shopping D, entre outros. É notável a melhora na percepção desse segmento em relação às ações culturais e educativas. Os Shopping tiveram que reinventar seus espaços, pois o ato de comprar pode ser feito em qualquer lugar até no mundo digital, assim oferecer aos seus clientes um diferencial faz toda a diferença na decisão das famílias onde vão consumir", conta Ana Ralston, diretora de negócios e inovação.

Todas as propostas do grupo Ciência em Show são fundamentadas em sólidos referenciais teóricos e trazem uma visão moderna do ensino, que aproveita espaços diversos para facilitar a aprendizagem. Os professores conduzem as atrações pela direção da inovação e da tecnologia.

"Em parceria com os centros de compras, conseguimos ocupar o espaço com qualidade. É bom para os lojistas, que percebem o movimento crescer, e também para a educação, pois leva ao espaço de lazer entretenimento educativo, útil e com propósito", completa Gerson Julião.