A promessa de perder peso rápido, sem atividade física ou dieta atrai muitas pessoas para os benefícios prometidos da noz da índia. Mas será que vale a pena colocar a saúde em risco por essa semente?

Famosa por ajudar o organismo a limpar as toxinas, melhorar o intestino e amenizar as celulites a castanha se tornou popular e passou a ser utilizada diariamente. Porém, muitos consumidores relataram desconfortos gastrointestinais, como náuseas, diarreia e dores no estômago, sinais que já apontavam o seu efeito tóxico.

Em 2016 sugiram relatos de pessoas que passaram mal e tiveram que ser hospitalizadas após o consumo da noz da Índia e do Chapéu de Napoleão (semente muito parecida com a noz da índia e usada com as mesmas alegações) e isso chamou a atenção das autoridades.

Assim, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) acabou de proibir à fabricação, a comercialização, a distribuição e a importação de Noz da Índia (Aleurites moluccanus) e do Chapéu de Napoleão (Thevetia peruviana) como insumos em medicamentos e alimentos e em quaisquer formas de apresentação devido ao seu risco de morte.

Por isso, cuidado com os "milagres" que oferecem para emagrecer. Alimentação saudável e atividade física acompanhada de profissionais especializados é o melhor caminho para o emagrecimento efetivo e com saúde.

Flávia Dário
Nutricionista
CRN8 7554

 

VEJA TAMBÉM