Entre paredes, restaurantes ganham vida. Basta ultrapassar o tapete na entrada escrito "Bangkok Garden", que os olhos vivenciam uma infinidade de partezinhas da Tailândia. Na decoração, as louças e os quadros nas paredes remetem à terra estrangeira. No ambiente interno, as mesas organizadas têm tons sutis e aconchegantes. Em cada canto, budas e deusas protegem o ambiente. Um misto de cores, formas e detalhes instigam a curiosidade, refletindo a história, a cultura e os desejos desse recanto tão exótico.

O restaurante não agrada somente aos olhos. Os paladares estão prestes a "uma explosão de sabores, entre a mistura do doce, salgado, apimentado, leve e até o acidez", descreve a gerente Liliana Shiraishi.

Com saladas, sopas, massas, carnes, aves e frutos do mar, com opções para vegetarianos e veganos, o cardápio é extenso e aumenta a cada ano. Sempre que o chefe Eduardo Henriques Hatada vai para a Tailândia, além de itens para decoração, ele também traz novas receitas. Por lá, ele faz cursos gastronômicos e experimenta novos pratos.

As receitas, por sua vez, são ricas e atraentes. Tudo preparado com cuidado, com especiarias bem escolhidas. A erva cidreira e o manjericão são plantados e cuidados pela própria equipe do Bangkok. No tempero, nada de sal - para salgar, o próprio molho de peixe.

Sob luzes suavemente laranjadas, o cliente pode degustar algumas das 50 variedades do cardápio. Uma boa dica é o camarão ao estilo nordeste da Tailândia (camarão ao molho de pimenta, erva cidreira, limão, molho de peixe, gengibre, cebola, folhas de hortelã e coentro, servido com arroz branco).

Entre as massas, o destaque é o macarrão Phad Thai (macarrão salteado na wok com camarão, tofu, ovos, broto de feijão, água de tamarindo, shoyu, molhos de peixe, ostra e pimentão vermelho, além de salpicado de amendoim moído e cebolinha).

Para acompanhar, é possível escolher entre sucos, refrigerantes, cervejas tradicionais e artesanais, uísques, chás, entre outras bebidas. O cardápio indica quais bebidas harmonizam com determinados pratos. Para uma receita picante, o ideal é a cerveja tailandesa Singha (330 ml), por R$ 12,50.

Enquanto as sobremesas, quatro opções de sorvetes arrebatadores (R$ 15, a taça): chá Tailandês, erva cidreira, gengibre e paçoca. São frações viciantes de sabores fortes, equilibrados e refinados.

O Bangkok funciona como uma fábrica de prazeres, descobertas e encantos. Envolvidos por budas, entre um prato e outro, os clientes podem colocar moedinhas nas obras de arte protetoras, com pedidos pessoais. Mais adiante, as moedas são convertidas e levadas aos templos da Tailândia, pelo chefe Hatada. Além de tudo, quem frequenta o local também se depara com um atendimento agradável.

Não é só um restaurante, é uma caixinha mágica. Do lado de fora, Maringá. Do lado de dentro, Tailândia. Não é preciso viajar tão longe, para vivenciar o universo tailandês. Basta entrar no Bangkok e se entregar a essa magia.

BANGKOK GARDEN
Onde: Av. Dr. Luiz Teixeira Mendes, 660, Zona 5.
Tel: 3030-0463.
Horários: de terça a quinta das 18h às 00h30; Sexta e sábado das 18h às 1h; Domingo das 11h às 15h.


APETITOSO. Macarrão Phai Thai: com camarão, tofu,
broto de feijão e outros itens .—FOTO: DIVULGAÇÃO